Gol decide suspender uso do modelo 737 MAX 8 após acidente na Etiópia

A companhia aérea Gol anunciou nesta segunda-feira (11) que suspendeu temporariamente, por “liberalidade”, o uso do modelo 737 MAX 8, da Boeing, após dois acidentes com aeronaves do mesmo modelo. A empresa mantém sete aeronaves 737 MAX 8 que operam em rotas para os Estados Unidos, América do Sul e Caribe, preferencialmente. A suspensão, informada previamente à Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), começou a valer às 20h desta segunda.

No domingo (10), a queda de um avião da Ethiopian Airlines deixou 157 mortos e foi o segundo acidente em 5 meses envolvendo um 737 MAX 8, que é a versão mais recente do avião comercial mais vendido no mundo. No fim de outubro de 2018, 189 pessoas morreram em um voo da indonésia Lion Air.

Ao longo da segunda-feira, os pilotos que estavam escalados para operar o 737 MAX 8 foram comunicados de que seriam transferidos para voos de outras aeronaves, segundo apurou o G1. A companhia também suspendeu a venda de voos que utilizariam o modelo – eles sairiam de Brasília e Fortaleza e iriam até Miami e Orlando.

A Gol informou que os clientes com viagens previstas nas aeronaves 737 Max 8 serão comunicados e reacomodados em voos da empresa ou de outras companhias aéreas.

“A central também permanece à disposição pelo telefone 0800 704 0465. A empresa continuará operando os destinos internacionais de longo curso com os aviões Boeing 737 NG, sem previsão de cancelamento na malha”, afirmou a companhia aérea.

A empresa afirma que, desde junho de 2018, já realizou 2.933 voos com o Boeing 737 Max 8, “totalizando mais de 12.700 horas, com total segurança e eficiência”.

As ações da empresa recuaram 2,59% nesta segunda-feira.

Antes de informar que iria suspender o uso do modelo, a Gol divulgou uma nota na qual afirmava estar acompanhando as investigações e que mantinha “contato próximo com a Boeing para esclarecimentos”.

Suspensão pelo mundo

As autoridades de aviação da China e da Indonésia ordenaram que as companhias aéreas suspendessem sua utilização. A Ethiopian Airlines, Cayman Airways (das Ilhas Cayman), Comair (África do Sul) e Royal Air Maroc (Marrocos) anunciaram que também interromperam a utilização desse modelo após o acidente. A Associação de Pilotos de Linhas Aéreas da Argentina (APLA) decidiu nesta segunda orientar seus filiados a não voarem em aviões 737 MAX da Boeing.

Segundo a Boeing, 350 aeronaves do modelo são operadas por cerca de 50 empresas no mundo.

Segundo dados compilados do site planespotters.net, que cataloga frotas de aviões no mundo, existem ao menos 47 companhias que têm o 737 MAX da Boeing entre seus aviões. Delas, pelo menos 19 suspenderam seu uso.

G1