Após erupção na Guatemala, cão é encontrado vivo ao lado de corpos dos donos

Em meio à morte e destruição deixada por um rastro de cinzas, lama e pedras lançada pelo Vulcão de Fogo, na Guatemala, equipes de resgate econtraram-se nesta quarta-feira com uma centelha de vida: “Rambo”, um cão preto e branco vira-lata. O animal foi encontrado em uma casa onde quatro pessoas, aparentemente seus donos, jaziam mortos no chão. “Rambo” é um dos vários animais vivos que conseguiram ser resgatados após a erupção, no último domingo, de um dos vulcões mais ativos da América Central.

— Pode ser que este cão já não tenha família — disse o bombeiro voluntário Sergio Vazquez após carregálo em El Rodeo, uma das áreas mais afetadas pela erupção que já deixou 75 mortos e 1,7 milhão de pessoas afetadas.

Um sobrevivente identificou o cão resgatado hoje como “Rambo”, disse Vazquez, que ainda não consegue explicar como ele sobreviveu. Os socorristas relataram que ainda há muitos animais domésticos que não puderam ser resgatados. Nesta quarta-feira, três tartarugas também foram encontradas vivas.

Julio Sanchez, porta-voz da Coordenadoria Nacional para a Redução de Desastres (Conrad), disse que muitos cães e gatos foram resgatados com queimaduras nas costas e pernas. Alguns até sofrem cegueira temporária devido aos efeitos dos gases no ar.

— Os animais têm outra resistência, outro comportamento para buscar refúgio — disse Vázquez.

O Vulcão de Fogo, localizado 44 quilômetros a oeste da Cidade da Guatemala e que está a 3.763 metros acima do nível do mar, registrou a erupção mais violenta em 40 anos, segundo especialistas.

A nuvem de cinzas quentes misturada com um fluxo de água, lama e detritos lançados pelo vulcão incendiou casas e bloqueou estradas. As autoridades não ordenaram qualquer evacuação para as cidades próximas ao vulcão porque seus cientistas relataram que a atividade sísmica parecia estar diminuindo.

Algumas comunidades conseguiram evacuar, mas em lugares como lotes e El Rodeo, cerca de 12 quilômetros da cratera, fluxos piroclásticos alcançaram algumas pessoas em suas casas ou nas ruas, onde as temperaturas atingiram até 700 ºC.

Extra