Saúde qualifica profissionais para a Campanha de Vacinação contra a Raiva Animal

A Secretaria de Estado da Saúde (SES), por meio do Núcleo de Zoonoses, inicia nesta terça-feira (7) as atividades de qualificação para a Campanha de Vacinação contra a Raiva Animal. A capacitação, que abrange todos os municípios, acontecerá na sede de cada uma das 12 Gerências Regionais de Saúde.

Essa semana, a qualificação começa por Campina Grande e depois segue para Itabaiana, Guarabira e, na sexta-feira (10), passa por João Pessoa. Serão qualificados profissionais da Atenção Básica, Vigilância Ambiental, Imunização e Veterinários. Eles receberão todas as informações sobre a campanha deste ano.

“Vão estar presentes todos os municípios do estado por cada Gerência Regional de Saúde. Além do Dia D, nós também vamos discutir as técnicas da campanha, a vacina aplicada, quais são as espécies animais envolvidas nessa campanha, idade, contraindicações, metas. Enfim, tudo inerente à campanha”, disse o chefe do Núcleo de Controle de Zoonoses da SES, Francisco de Assis Azevedo.

Campanha – O Dia D da Campanha de Vacinação Contra a Raiva Animal acontece em 22 de setembro em todo o Estado. Deverão ser vacinados todos os cães e gatos a partir de 3 meses de idade. A meta é imunizar, ao todo, 727.372 animais – sendo 528.935 cães e 198.437 gatos. Após o Dia D, a SES estabelece o prazo de 30 dias para atingir as metas.

“A vacina não tem contraindicação. O animal pode ser gestante, pode estar amamentando, como também não há idade limite para ser vacinado. Isso é importante”, informou Francisco.

A doença – A raiva é uma doença infecciosa aguda, de etiologia viral, transmitida ao homem por meio da mordedura, arranhadura, lambedura de mucosas ou pele lesionada por animais raivosos, provocando uma encefalite viral aguda. A transmissão ocorre quando o vírus rábico existente na saliva do animal infectado penetra no organismo.

 A doença acomete o sistema nervoso central, levando ao óbito após curta evolução. É letal em aproximadamente 100% dos casos, por ser causada por um vírus mortal, tanto para os homens quanto para os animais, e a única forma de evitá-la é pela vacinação anual, que não tem contraindicação.

A raiva apresenta quatro ciclos de transmissão: no ciclo rural, os bovinos, ovinos, caprinos, suínos e equídeos são os principais elementos transmissores da raiva; no ciclo silvestre, as raposas, guaxinins, macacos e roedores têm maior destaque na transmissão da doença; no ciclo aéreo, os morcegos representam o maior perigo; e no ciclo urbano os principais elementos responsáveis pela manutenção do vírus rábico são os cães e gatos

Secom-PB